Mamoplastia de aumento (prótese de mama)

Mamoplastia de aumento (prótese de mama)

mamoplastia de aumento é a cirurgia adotada para o implante de prótese de silicone, resultando em seios mais volumosos. É um dos procedimentos de cirurgia plástica mais populares e realizados no mundo.

Como são as próteses de silicone atuais?

No início, a prótese era preenchida por um silicone mais líquido. Porém, hoje, são feitas com silicone coeso (um material inerte e não-reativo), que não extravasa caso seja rompido, e suporta mais pressão, como no exame de mamografia.

Houve uma grande evolução dos meios de fabricação das próteses e aprimoramento das técnicas cirúrgicas. Como consequência, os resultados estão cada vez melhores.

Dúvidas comuns

Há risco de o silicone levar a uma doença autoimune ou aumentar a chance de desenvolver câncer nas mamas?

Após muitos trabalhos realizados e estudos, sabe-se, atualmente, que o implante mamário não aumenta a chance de ter uma doença. Ou seja, a incidência é igual a de uma mulher que não tem prótese.

A prótese de silicone tem validade?

Antigamente, se falava que a cada 10 anos a paciente deveria trocar a prótese. Hoje, isso não é mais verdade. É possível permanecer com o mesmo implante, desde que os exames de rotina estejam normais.

A mamoplastia de aumento pode atrapalhar a amamentação?

Não, esta cirurgia não impede a mulher de amamentar. A prótese é posicionada atrás da glândula ou do músculo.

Pré-operatório da mamoplastia de aumento

Ao avaliar uma paciente no pré-operatório quanto ao tamanho do implante, é fundamental equilibrar os desejos da paciente às características do seu corpo.

Por isso, cabe ao cirurgião plástico orientar e esclarecer o real resultado estético que o procedimento vai trazer, para evitar falsas expectativas e frustrações no pós-operatório.

A avaliação apropriada de uma paciente inclui:

  • Registrar medidas, como o tamanho da base das mamas e a distância entre as aréolas;
  • Avaliar a presença de ptose (queda) e eventuais assimetrias entre as mamas.

Após estas medidas, o cirurgião vai projetá-las em um tabela, respeitando o desejo da mulher, e determinar os volumes possíveis. Também será discutida a forma das próteses (naturalgotaredondacônica), explicando a diferença de resultado que cada uma pode proporcionar.

Durante o pré-operatório, são ainda solicitados exames de rotina, como de sangueeletrocardiogramaraio-x de tóraxrisco cirúrgicoultrassonografia das mamas e mamografia. Essa lista pode variar de uma paciente para outra, dependendo da idade, comorbidades e tipo de cirurgia programada.

Para exames preventivos mamários, também é sugerida a avaliação pelo mastologista, conforme as características pessoais e histórico de doenças das mamas na família da paciente.

Quais são as principais formas de colocação da prótese?

A via de acesso da prótese e, consequentemente, da cicatriz também é determinado antes da cirurgia. Hoje, o implante pode ser colocado via sulco inframamárioperiareolar e axilar, sendo mais realizado no Brasil (70%) via sulco.

O local de colocação da prótese (subglandularsubfascial ou retromuscular) vai depender do volume da mama. Em mulheres com pouca mama, é recomendado o plano retromuscular,para dar um maior preenchimento e evitar que o implante fique marcando a pele.

Existem casos onde há sobra de pele, mesmo com a inclusão da prótese. Então, é feito um procedimento chamado mastopexia, com a retirada deste excesso, resultando em uma cicatriz em L, I ou T.

Cuidados antes da Cirurgia nas Mamas (Mamoplastia):

  • Não tome qualquer medicamento sem conhecimento do seu médico e evite aspirina e derivados, anti-inflamatório, ginkgo biloba e fitoterápicos, pelo menos, 20 dias antes da cirurgia;
  • Mantenha medicamentos de uso diário (para hipertensão, diabetes, entre outros);
  • Evite bebidas alcoólicas, principalmente vinho, nas 48 horas antes da cirurgia;
  • Tome banho um dia antes da cirurgia com sabonete antisséptico (Soapex);
  • Providencie os exames solicitados, pelo menos, 20 dias antes da cirurgia;
  • Informe ao médico sobre estado gripal, processo infeccioso local (pele) ou outra intercorrência antes da cirurgia;
  • Leve exames pré-operatórios, medicamentos de uso diário e medicamentos solicitados pela equipe médica no dia da internação;
  • Chegue para a internação no horário marcado;
  • Faça dieta zero, com jejum a partir das 22h do dia anterior, evitando alimentos sólidos, pastosos e/ou líquidos, incluindo água.

Cuidados pós-operatório para mamoplastia de aumento

Hematoma

É uma das complicações imediatas mais temidas após a cirurgia, especialmente nos primeiros cinco dias. Para evitá-lo, é preciso:

  • Levantar com ajuda e cuidado;
  • Usar sutiã sempre, tirando somente para banho, por, pelo menos, 90 dias;
  • Levantar braços com restrições;
  • Tomar antibiótico e outros medicamentos rigorosamente conforme instruções médicas;
  • Evitar movimentos bruscos no tórax, pelo menos, durante 20 dias;
  • Evitar peso nos braços por 60 dias;
  • Lavar sempre as mãos antes de tocar na mama;
  • Usar Micropore ou fita de silicone por, pelo menos, 60 dias;
  • Movimentar-se com cuidado, principalmente ao nível da cintura;
  • Não levantar os braços até a cabeça quando deitar;
  • Usar laxantes, supositórios ou outros, em caso de prisão de ventre, para evitar sangramento das mamas devido ao esforço para evacuar;
  • Informar o médico sobre o surgimento de espinhas, vermelhidão ou outras alterações na pele;
  • Usar apenas roupa com abertura frontal, até a retirada total dos pontos (entre o 7° e 30º dia após a cirurgia);
  • Comparecer nas consultas marcadas e manter o acompanhamento periódico por 2 anos;
  • Comunicar imediatamente ao médico sobre qualquer alteração de cicatriz (sua evolução depende das características da pele de cada paciente);
  • Evitar ganho de peso, que poderá prejudicar a cirurgia e suas cicatrizes.

Dores

Apresentar dor discreta no local da cirurgia é normal. Já a sensibilidade do complexo aréolo-mamilar dependerá da evolução de cada paciente e da técnica empregada discutida com a paciente durante a consulta informativa.

Sangramento

Apesar de rara (0,5 a 3%), existe a possibilidade de ocorrer sangramento e formação de hematoma no pós-operatório imediato.

Caso ocorra, não é preciso se desesperar. Será feita uma drenagem e revisão da hemostasia no centro cirúrgico, de forma simples e sem grandes consequências.

Perda de sensibilidade

Uma perda de sensibilidade da aréola também pode acontecer (15%), principalmente se o acesso for periareolar, mas, na grande maioria, é transitória.

Contratura capsular

A complicação tardia mais comum é a contratura capsular (3%). Por isso, é importante a própria paciente fazer massagem nas cicatrizes, conforme instrução dada após o 7º dia da cirurgia, evitando esse quadro.

Lembre-se: o resultado final satisfatório depende tanto da cirurgia quanto do cumprimento das orientações pós-operatórias e comparecimento às revisões agendadas.

Saiba mais! Entre em contato!

Faça uma visita!